Identidade digital chega à população no segundo semestre


Em 11/06/2018

 



O novo Documento Nacional de Identidade, o DNI, é um aplicativo de celular que reúne documentos como a identidade, o CPF e o título de eleitor em um único QR Code. O DNI foi criado pela lei 13.444, em vigor desde maio de 2017, e está em fase de testes.

 

No primeiro momento, servidores do Tribunal Superior Eleitoral puderam baixar o documento. Na segunda fase, com lançamento em 29 de maio, foi a vez do Senado e da Câmara. O terceiro passo é estender o documento para o estado do Paraná, onde 90% da população já tem cadastro biométrico na Justiça Eleitoral.

 

O Comitê Gestor espera que o documento único digital esteja disponível a toda a população até o fim de 2018, para os cidadãos que já têm biometria. Embora em fase de teste, o DNI já é válido como documento de identificação, informa a Agência Senado.

 

O senador Dário Berger (MDB-SC), que integra o Comitê Gestor do DNI, disse em entrevista ao programa Salão Nobre, da TV Senado, que o documento é seguro, porque é baseado na biometria do cidadão, armazenada no banco de dados da Justiça Eleitoral. "Se a pessoa perde o celular, está cadastrada biometricamente e tem que digitar uma senha", explica.

 

De acordo com Berger, o DNI é mais seguro que a identidade atual, porque acaba com a possibilidade de se tirar uma carteira de identidade em cada estado e reduz fraudes. "Vai ter um caráter nacional, biometricamente identificado, razão pela qual jamais nós teremos essa duplicidade de identificação como a gente percebe hoje no meio físico atualmente em vigor", explica.

 

Segundo o senador, o documento fica disponível no aplicativo mesmo quando o celular está sem internet. Depois de implantado o DNI para toda a população, Berger conta que o próximo passo do Comitê Gestor será incluir outros documentos no aplicativo e evoluir o cadastro para o reconhecimento facial.

 

FONTE: INFOMONEY


Rede Primeiro Minuto
©2016 - Todos os direitos reservados