Rede Primeiro Minuto
Quinta, 26 de Maio de 2022
22°

Chuva fraca

Campina Grande - PB

Anúncio
Brasil/Mundo BRASIL

Brasil piora e fica em 96º lugar no ranking da corrupção de 2021

Avaliado pelo Índice de Percepção da Corrupção, principal indicador do mundo, o país segue abaixo da média global no quesito de integridade.

25/01/2022 às 12h34 Atualizada em 27/01/2022 às 13h34
Por: Da Redação
Compartilhe:
Foto: Mohamed Hassan/ Pixabay
Foto: Mohamed Hassan/ Pixabay

O Índice de Percepção da Corrupção, produzido pela Transparência Internacional e divulgado nesta terça-feira (25/1), mostrou que o Brasil caiu duas posições e permanece abaixo da média global. O documento é o principal indicador de integridade de uma nação no mundo.

O ranking avalia 180 países e territórios com notas de 0 a 100. Quanto maior o número, menor é a corrupção percebida no país.

No ano de 2021, o IPC destacou a relação entre corrupção e abuso de direitos humanos, observando que nações mais corruptas possuem a tendência de reduzir a democracia e os direitos do povo.

Entre os países analisados, o Brasil ocupou a 96ª colocação no ano passado. Em 2020, estava na 94ª posição. Com a queda, o país segue abaixo da média global, de 43 pontos, desde 2015. Finlândia, Dinamarca e Nova Zelândia estão nos primeiros lugares, com 88 pontos.

O país ficou também abaixo da média dos Brics (agrupamento de países de mercado emergente), de 39 pontos, e bem distante da média dos países do G20 (as 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia), de 54 pontos, e da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico com 38 países membros, de 66 pontos.

Dos blocos citados, o Brasil não integra apenas a OCDE, que tem o combate à corrupção como um de seus critérios, mas a entrada no grupo é almejada pelo governo.

Em relação a média regional da América Latina e do Caribe, de 41 pontos, o Brasil também fica para trás.

Retrospectiva 2021

Para explicar o posicionamento da nação no ranking, a Transparência Internacional disponibiliza o relatório Retrospectiva 2021, que apresenta os principais acontecimentos do ano, positivos e negativos, no governo federal, Congresso Nacional, Poder Judiciário, na PGR e no Ministério Público e discorre sobre o espaço democrático do país.

Entre os pontos positivos, estão a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir políticas de controle da pandemia do coronavírus e o envio pelo governo federal ao Congresso de um projeto de lei para regulamentar o lobby.

Nos negativos, se encontram os “esquemas de macro corrupção no Ministério da Saúde, apontados pela imprensa e pela Comissão Parlamentar de Inquérito, no contexto da tragédia humanitária da Covid” e os “ataques frontais do presidente Bolsonaro contra instituições eleitorais e ameaças ao Supremo Tribunal Federal e seus membros elevam gravemente o risco de ruptura democrática”.

Confira o documento na íntegra por este link.

Fonte: Matrópoles

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias